Destaques

Acompanhe notícias, artigos e outras informações relacionadas à Fundepar

Myleus, uma empresas que usa testes de DNA para que você não compre gato por lebre

Myleus, uma empresas que usa testes de DNA para que você não compre gato por lebre



Sabia que quando você compra uma peça de bacalhau pode estar levando para casa outra espécie de peixe menos nobre, como badejo? O mesmo pode acontecer ao comprar extratos de plantas e frutas, como maracujá e ginseng. Queijos também entram no pacote de produtos nos quais é comum a embalagem dizer uma coisa, mas o produto ser outro. Existem queijos de “búfala” e de “cabra” com grande percentual de leite de vaca.

No Brasil, a Myleus faz identificação genética de espécies em produtos de origem animal e vegetal e é especializada em identificar fraudes parecidas com as acima, das quais nem mesmo as multinacionais estão livres. Em 2013, a Nestlé se envolveu num escândalo após ser detectada carne de cavalo em um produto que deveria ter 100% de carne bovina. A propósito, a Myleus está prestes a lançar uma nova tecnologia, capaz de identificar a presença de carne e animais diferentes em um único teste. “Geralmente, essas fraudes visam ganho financeiro, já que o produto é feito com ingrediente mais barato do que o anunciado”, afirma Marcela Drummond, 33, presidente da Myleus. “Também há casos de fraudes para acobertar crimes ambientais, como a pesca indevida de peixes em período de reprodução.”

Os fundadores da empresa se conheceram na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Um deles, o biólogo Daniel Carvalho, pesquisava identificação genética em pescados — Myleus é o nome científico do peixe pacú — quando aproveitou a abertura de um edital da Inova, incubadora de empresas de tecnologias da UFMG, para formalizar a startup, em 2010. A empresa passou cerca de dois anos na incubadora e recebeu aporte de 15 000 reais para migrar da academia para o mercado.

Hoje, Daniel é conselheiro científico da Myleus e se dedica à carreira acadêmica, como professor na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

COMO SUSTENTAR UMA STARTUP DE BIOTECNOLOGIA?

Uma startup de biotecnologia opera em um setor mais tradicional e menos dinâmico, economicamente, do que o de serviços ao consumidor. Por outro lado, como tem raízes na academia, há chances de conseguir apoio e financiamento em instituições que apoiam a pesquisa e o desenvolvimento. Nos últimos anos, a Myleus venceu editais como os da Fapemig e do CNPq, angariando o valor total de 700 000 reais. “Esse dinheiro não pode ser usado para compor o caixa da empresa, mas ajuda em gastos com equipamentos e com funcionários dedicados à pesquisa”, diz Marcela.

Os sócios da Myleus, Marcela, Rafael e Estevam, se conheceram na faculdade (foto: reprodução O Estado de Minas).

Os sócios da Myleus, Marcela, Rafael e Estevam, se conheceram na faculdade (foto: reprodução O Estado de Minas).

Tirando estes apoios, a briga é para se consolidar no mercado. A Myleus trabalha com três grupos de clientes. O primeiro é formado por órgãos de defesa do consumidor, como o Procon, e autoridades sanitárias que contratam a empresa para ajudar em fiscalizações. Ano passado, a empresa foi contratada pela Prefeitura de Florianópolis para analisar se os peixes vendidos na cidade tinham a procedência descrita nas embalagens. Resultado: 40% das amostras foram reprovadas. Vendia-se peixe donzela como bacalhau do porto e peixe panga como linguado.

Num outro estudo bem curioso — e que mostra a necessidade de que existam mais empresas com este propósito de “comprovar se o que é dito é real” — foi feito em conjunto com a Fundação Oswaldo Cruz. O objetivo era analisar 290 amostras de remédios fitoterápicos vendidos em Minas Gerais. O resultado foi alarmante: cerca de 50% dos produtos eram fraudulentos e, no caso das amostras de produtos que deveriam ter maracujá na fórmula, 100% eram falsos e não apresentaram substâncias provenientes da fruta.

Outro grupo de clientes da startup mineira são empresas que querem certificar a qualidade dos produtos de sua cadeia de fornecedores. Um grande supermercado, por exemplo, pode testar os produtos provenientes da indústria alimentícia. Por sua vez, a indústria pode testar insumos comprados de criadores de animais.

QUEM TEM MEDO DE SER TESTADO?

O terceiro grupo de clientes — e talvez os que mais se aproximem de ter um propósito semelhante ao da Myleus — são as empresas que querem receber um tipo de certificado de qualidade. Essas empresas têm proatividade para atestar com antecedência a origem de seus produtos para passar mais credibilidade ao mercado. Marcela comenta:

“Nosso campo de atuação é bem grande, mas muitos donos de empresas ainda não têm a consciência da importância dos testes de identificação genética”

Atualmente, os clientes do serviço de identificação de espécies ainda não geram receitas expressivas para a Myleus. Para sustentar o caixa, a empresa faz testes de sequenciamento de DNA para outros pesquisadores, que atuam em biotecnologia mas não têm os equipamentos necessários para realizar esse tipo de análises. “Temos cerca de 150 pesquisadores de universidades, instituições de pesquisa e empresas como clientes, que representam 80% do faturamento da Myleus”, conta Marcela.

Para ajudar na árdua missão de captar mais clientes na área em que escolheu atuar, a Myleus percebeu que precisaria de ajuda externa e contratou a ProspectaInc no fim de 2014 com a missão de encontrar interessados em seus serviços e agendar encontros de negócios – como se fosse uma terceirização do departamento comercial. Os consultores também ajudam os empreendedores da Myleus a desenvolverem noções de venda e negociação, para que no futuro a empresa possa fechar novos contratos sozinha.

Além do reforço na área comercial, a consultoria também promoveu a reformulação do site da Myleus. Gerar conteúdo relevante é uma tática do Inbound Marketing, técnica que a Prospecta trouxe para a Myleus. “Um dos temas tratados no blog será os problemas jurídicos que as fraudes podem trazer para a empresa, além de comprometer sua imagem e reputação”, diz Marcela.

Em 2014, a Myleus também deu mais dois grandes passos para se solidificar no mercado. A empresa passou a fazer parte da incubadora Habitat, iniciativa do instituto Biominas em parceria com o Governo do Estado de Minas Gerais e a UFMG. Faz sentido voltar a ser incubada? Marcela acredita que sim:

“Essa nova fase de incubação vai ajudar a empresa a montar uma estrutura própria de laboratório e capacitar funcionários”

O outro incentivo para crescer veio da Fundepar, fundo de investimento ligado a UFMG para apoiar empresas inovadoras que nasceram de centos de pesquisas da universidade. O investimento de 500 000 reais tem sido usado para alavancar as vendas da empresa. “O contrato com a Prospecta, por exemplo, só foi realizado após o aporte”, diz a empreendedora. Com os novos investimentos, a empresa espera multiplicar as receitas em cinco vezes em 2015. Se tudo ocorrer conforme as expectativas, muito gato por lebre será desvendado.

Por: Joaquim Amaral
Data: 27/03/2015
Fonte: http://projetodraft.com/

Mapa do site