Destaques

bhtec

Investimento na Zunnit Sistemas Inteligentes

Fundepar realiza investimento na Zunnit



Instituição formaliza parceria com empresa especializada em ferramentas de segmentação, análise do comportamento de usuários e deep learning

A Fundepar (Fundep Participações S.A.) apoia empresas emergentes inovadoras, aportando recursos para estruturação de empresas de base tecnológica. No dia 6 de julho, foi efetivado mais um investimento: com a empresa Zunnit Sistemas Inteligentes, que passa a integrar o portfólio da Fundepar. A Zunnit começou sua atuação na área de análise preditiva (previsões testáveis) para avaliação de comportamento, segmentação e perfil de usuários em sites de notícias, e-commerce, blogs e portais, com o objetivo de oferecer produtos ou indicar ações personalizadas.

Recentemente, o foco da empresa vem ganhando novas perspectivas com a incorporação de tecnologias de Deep Learning e análise de Big Data. A convergência dessas duas técnicas permite compreender e automatizar processos das empresas, aumentando, assim, os índices de vendas e eficiência. Enquanto o Big Data é a tecnologia para armazenamento de dados em quantidades massivas, o Deep Learning realiza a “leitura” desse conjunto de informações, estabelecendo padrões e classificações. Trata-se de ferramentas aplicáveis a diversos segmentos de negócio e de grande utilidade para a tomada de decisões estratégicas e implementação de ações específicas.

Ao formalizar a parceria, a Fundepar se torna sócia do empreendimento. “Vários motivos nos levaram à decisão pelo investimento na Zunnit, tais como o perfil da equipe – com histórico empreendedor de sucesso – e a área de atuação, que é promissora para novos negócios”, explica o diretor da Fundepar, Ramon Dias de Azevedo.

Do laboratório para o mercado

A Zunnit foi concebida nos laboratórios dos professores Nivio Ziviani e Alberto Laender, do Departamento de Ciência da Computação (DCC) da UFMG. Ao final de 2011, a própria Universidade se tornou sócia do empreendimento a partir de um modelo inovador de transferência de tecnologia. As atividades expandiram-se e a empresa passou a funcionar no BHTec, Parque Tecnológico de Belo Horizonte, na região da Pampulha, a sede atual.

O DCC da UFMG é considerado referência em empreendedorismo na área de computação no Brasil. Entre os casos de sucesso, que contam com a participação do professor Ziviani, estão a Miner Technology Group, criada em 1998 e adquirida no ano seguinte pelo grupo Folha de São Paulo/UOL, e a Akwan Information Technologies, projetada em 2000 e vendida, em 2005, para o Google.

O professor Nivio Ziviani destaca a relevância do envolvimento da Fundepar no negócio. “Esse aporte financeiro é muito importante para ampliar o trabalho de engenharia e a capacidade de produção. É uma parceria que nos permitirá maior governança de todos os tipos de captação de recursos, além do incremento da área comercial com as ações de networking”, detalha.

Gestão sob novo olhar

Nesse novo momento da gestão da Zunnit, a expectativa é o aprimoramento dos produtos e reforço da atividade comercial. Para isso, “a prioridade é a elaboração dos planejamentos estratégico e orçamentário de curto prazo”, revela Leandro Pinheiro Cintra, gerente de aceleração da Fundepar, que atuará na diretoria administrativa-financeira da Zunnit.

Em seguida, o foco será a implementação de ferramentas de governança corporativa. Segundo Leandro, “é um privilégio participar, de forma sistemática, das atividades da Zunnit e poder apoiar a tomada de decisões da empresa”.

Investidas da Fundepar

Além da parceria com a Zunnit, a Fundepar possui duas investidas, a Myleus Biotecnologia – que é a primeira empresa brasileira a atuar na área de análises genéticas para certificação de produtos de origem animal e vegetal – e o Techmall, cujo foco é promover a aceleração do desenvolvimento de startups de base tecnológica arrojada.

Conheça a Zunnit: http://www.zunnit.com/

Delegação Russa - Foto: Foca Lisboa/UFMG

Em recepção a delegação russa, vice-reitora reforça compromisso da UFMG com ampliação de parcerias internacionais



O desejo da UFMG de ampliar parcerias internacionais foi reafirmado, na manhã desta quinta, 6, pela vice-reitora Sandra Goulart Almeida, durante encontro com delegação formada por pesquisadores, investidores e gestores públicos da Rússia. “Esta missão se reveste de um significado especial e histórico, porque se trata da primeira visita de uma delegação dessa magnitude em nossa Universidade e em Minas Gerais”, ressaltou.

“Queremos diversificar nossas parcerias acadêmicas. Esse é um dos objetivos centrais da nossa política internacional para os próximos anos, em especial com países do Brics [grupo econômico que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul], com destaque para a Rússia, cujas parcerias ainda são incipientes. Podemos nos ajudar em campos de interesse mútuo. Acreditamos que poderão surgir parcerias muito frutíferas”, destacou.

Artem Shadrin, diretor do Departamento de Inovação do Ministério de Economia e Desenvolvimento da Rússia, falou da importância das universidades na promoção da inovação. “Quando trabalhamos a fundo com o tema inovação, chegamos à conclusão de que sua base é a universidade. Considerando o papel histórico de educar e fazer pesquisas científicas, a universidade se torna fonte de inovações. Nossa expectativa é discutir pontos de interesse mútuo para ampliar essa cooperação”, reforçou.

Evgeny Kuznetsov, diretor de gerenciamento de projetos da empresa Russian Venture Company (RVC), destacou o rápido desenvolvimento por que passa o sistema de inovação na Rússia, com crescimento significativo de investimentos. “Nosso objetivo agora é envolver nesse processo de inovação universidades e grandes empresas. Durante essa visita ao Brasil, percebemos que as universidades e empresas têm obtido resultados relevantes”, afirmou.

A coordenadora da delegação, Evgeniya Shamis, fundadora e diretora da empresa Sherpa S Pro, de Moscou, agradeceu o interesse da UFMG em receber a comitiva e reforçou a expectativa por parcerias. “Nossa delegação representa diversas regiões e cidades da Rússia e conta também com um integrante bielorusso. Quando preparávamos a visita, tínhamos o objetivo concreto de efetuar parcerias e intercâmbios entre os pesquisadores das nossas universidades durante esse encontro. Esperamos que os resultados em cooperação venham em breve”, destacou.

A vice-reitora Sandra Goulart Almeida informou que, em dezembro deste ano, o reitor Jaime Ramírez vai integrar comitiva de membros de universidades brasileiras que visitará a Rússia. “Nossa expectativa é de que o encontro de hoje se desdobre em resultados nessa visita de dezembro e em encontros futuros”, afirmou.

Grupos temáticos de discussão

Após a recepção, a delegação se dividiu para discussão em três grupos distintos. Na área estratégica, o grupo de investidores PBK, do governo russo, se reuniu com representantes da Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica (CTIT) da UFMG e da Fundep Participações S.A. (Fundepar), entidade que apoia empresas emergentes inovadoras nascidas de pesquisas realizadas na Universidade.

Na área acadêmica, reitores e pró-reitores, diretores de unidades acadêmicas e professores das instituições russas e da UFMG se reuniram para discutir possibilidades de interação. No campo de negócios, equipe do Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-Tec) conversou com representantes de parques tecnológicos russos.

Durante a tarde, Mikhail Kasatkin, engenheiro-chefe da Scientific-Prodution Company (Saturn), empresa que produz motores de avião e de foguetes, e Dimitri Ivanov, chefe de inovação, farão palestras no câmpus Pampulha para alunos do curso de engenharia aeroespacial.

Fonte: Jornal Brasil On-line
Foto: Foca Lisboa/UFMG
07/11/2014

Delegação russa visita UFMG para conhecer estrutura e processos de inovação



O ritmo de inovação alcançado nos últimos anos pelas universidades brasileiras e o sucesso que elas têm obtido na transferência de tecnologias para o mercado atraíram o olhar de pesquisadores, investidores e gestores públicos da Rússia que, nesta quinta-feira, 6, vão visitar a UFMG.

Composta de reitores de quatro universidades, investidores e de representantes de empresas e do governo, a comitiva também traz ao Brasil experiências que podem ser compartilhadas e gerar projetos conjuntos.

Depois de recebidos pela vice-reitora Sandra Goulart Almeida, os integrantes da delegação participarão de reuniões em três áreas. No campo estratégico, o grupo de investidores PBK, do governo russo, se reunirá com representantes da Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica (CTIT) da UFMG e da Fundep Participações S.A. (Fundepar), entidade que apoia empresas emergentes inovadoras originadas de pesquisas realizadas na Universidade.

No âmbito acadêmico, reitores e pró-reitores, diretores de unidades acadêmicas e professores das instituições russas e da UFMG vão se reunir para discutir projetos com potencial significativo de interação.

Na área de negócios, uma equipe do Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BHTec) vai conversar com representantes de parques tecnológicos russos. O encontro também terá participação de empresas instaladas no BHTec cujos produtos possam interessar a empresas do país visitante.

À tarde, quando a comitiva estará na Cidade Administrativa, Mikhail Kasatkin, engenheiro-chefe da Scientific-Prodution Company (Saturn), empresa que produz motores de avião e de foguetes, e Dimitri Ivanov, chefe de inovação, farão palestras no câmpus Pampulha para alunos do curso de engenharia aeroespacial.

Uma semana no Brasil

Coordenada por Evgeniya Shamis, fundadora e diretora da empresa Sherpa S Pro, de Moscou, a delegação será recepcionada pelo professor Marcos Pinotti Barbosa, do Departamento de Engenharia Mecânica, que intermediou a visita.

A comitiva tem passado por diversos países e, na América Latina, escolheu o Brasil, onde permanecerá por uma semana em visita a três universidades: UFMG, USP e UFRJ.
Segundo Pinotti, a UFMG foi escolhida por ser uma das mais importantes universidades do Brasil e por seu modelo exemplar na área de inovação. “A UFMG chamou a atenção por ter todas as componentes da trajetória da inovação bem desenvolvidas: excelência acadêmica mundialmente reconhecida, a presença da CTIT, cujo trabalho se destaca no país, e de um parque tecnológico em crescimento, e, para fechar esse ciclo virtuoso da inovação, ainda tem a Fundepar, que financia empresas emergentes”, enumera o professor da Escola de Engenharia.

Pinotti explica que os visitantes querem saber quais desafios tiveram que ser vencidos para que a UFMG alcançasse alta taxa de transferência de tecnologia. “As universidades russas são muito parecidas com as nossas – públicas e geralmente divorciadas do setor industrial, barreira que a UFMG vem quebrando ao longo dos anos”, avalia o professor. De acordo com a CTIT, a UFMG é a maior depositante de patentes entre as universidades federais, com 650 depósitos – 20% dessas tecnologias são licenciadas.

As quatro universidades que compõem a comitiva foram indicadas pelo governo russo para receber mais financiamento em razão de seu potencial para subir nos rankings internacionais de instituições de ensino, ciência e tecnologia. São elas: Universidade Médica Estatal de Samara, Universidade Aeroespacial Estatal de Samara, Universidade Nacional de São Petersburgo – Tecnologias da informação, mecânica e ótica (IFMO) e Universidade Científica Tecnológica (Misis) de Moscou.

Pinotti comenta que um dos indicadores fundamentais para avançar em rankings é contar com a presença de professores estrangeiros, tema que também será objeto de negociação entre os participantes da reunião.

Fonte: Portal de Notícias da UFMG
04/11/2014

Mapa do site