Destaques

investimentos

teste-500x383

Fundepar: portfólio em expansão



A Fundep Participações S.A. (Fundepar) segue avançando com um dos principais programas de investimento a empresas inovadoras emergentes do país. A parceria da vez é com a Logpyx, startup que apresenta modernas tecnologias de internet das coisas e inteligência computacional para ampliar a produtividade do setor de transporte de cargas.

Um dispositivo é instalado no caminhão quando ele chega ao pátio para carregar/descarregar produtos e todo o trânsito do veículo nesse espaço é monitorado pelo sistema, em tempo real. De acordo com os sócios-fundadores Adalci Righi e Eros Viggiano, esse acompanhamento aumenta a eficiência na gestão de pátio, otimizando o fluxo logístico, reduzindo 40% do desperdício de tempo de veículos em pátio, minimizando custos operacionais e, ainda, prevenindo multas referentes à espera do motorista, jornada de trabalho, entre outras questões previstas na Lei do Caminhoneiro. A Logpyx já possui clientes como Aperam, Arcelor Mittal e Fiat Automóveis.

Criada em 2014, a empresa foi contemplada pelo programa Startup Brasil, recebeu aceleração do Seed, do Governo de Minas Gerais, e também do Techmall, parceira estratégica da Fundepar. Foi durante a aceleração do Techmall que a equipe da Logpyx se aproximou da Fundepar. Após um ano de acompanhamento do projeto, o investimento foi realizado e a Logpyx integra o portfólio de investidas da Fundepar.

Parceria promissora

“A Logpyx tem tecnologia de ponta, engenharia diferenciada e traz soluções necessárias para o aumento da eficiência da indústria nacional. Seu negócio tem muito apelo de mercado, podendo ser ampliado para diversos setores, e é muito atrativo para empresas multinacionais do segmento de software”, explica Felipe Mariani, analista de investimentos da Fundepar, sobre a decisão do investimento. Ele complementa que foram consideradas, também, a trajetória da empresa, a referência no desenvolvimento de hardware e software e a expertise em Internet das Coisas – com esse tema, a Logpyx foi uma das selecionadas no Desafio Fundepar do Edital Senai Sesi de Inovação.

A modalidade de investimento da Fundepar na Logpyx segue o padrão do programa: formato seed money (capital semente), realizando aporte financeiro e suporte à gestão, mediante participação societária.

A expectativa é positiva tanto para investidor quanto para a investida: “Esperamos somar esforços na estruturação da empresa, promover evoluções contínuas na capacidade da engenharia, potencializar o impacto da inovação e da força comercial, contribuindo, assim, para o crescimento do negócio e conquista de mais clientes”, diz Felipe, da Fundepar. “Estamos muito otimistas com esta parceria e, com esse apoio, vamos ter gestão eficiente, mais robustez, avanços, acessos a editais de inovação e, certamente, mais contratos firmados”, acredita um dos fundadores, Eros Viggiano.

Além da Logpyx, outras empresas integram o portfólio de investidas da Fundep Participações:

Myleus Biotecnologia: primeira empresa brasileira a atuar em análises genéticas para certificação de autenticidade de produtos de origem animal e vegetal.

Kunumi: especializada em ferramentas de segmentação, análise do comportamento e deep learning.

Detechta Biotecnologia: pesquisa e desenvolvimento para a indústria de vacina e de diagnóstico para o mercado veterinário e humano.

LinCare: plataforma inteligente (pulseira e aplicativo) de cuidados à distância para idosos.

imgg

Fundepar: investindo em inovação para a saúde do idoso



Quem tem familiares idosos sabe a preocupação e a importância de acompanhar a saúde deles de perto, especialmente se eles moram ou ficam parte do tempo sozinhos. Pensando em promover bem-estar, autonomia e prevenção de doenças para os idosos, e, paralelamente, tranquilidade e segurança para quem cuida deles, a startup LinCare desenvolveu uma plataforma inovadora. Trata-se de uma pulseira inteligente que registra dados vitais do usuário (como frequência dos batimentos cardíacos), demonstra situações de queda, oferece um geolocalizador e, ainda, conta com um botão para emergência. O sistema é composto por acessório, central telefônica e software inteligente.

Co-fundadora da startup, Ana da Mata, explica como a solução funciona: “ao identificar alguma alteração nos dados biomédicos, disparo do botão de ajuda ou uma situação de queda, o dispositivo envia avisos para os celulares dos familiares do idoso. Se estiver tudo certo, sem necessidade de socorro, diariamente o aplicativo emitirá relatórios individuais de atividades, análise de comportamento e dicas de bem-estar”. De acordo com Ana, a ideia é ajudar nas situações de urgência e também no dia a dia como forma de autoconhecimento e incentivo a boas práticas para colaborar com a qualidade de vida das pessoas idosas.

Apostando na inovação

Reconhecendo a importância dessa solução para a sociedade e a força econômica do negócio, a Fundep Participações (Fundepar) – programa de investimentos que apoia empresas emergentes de base tecnológica – formalizou o aporte na LinCare, que agora integra o seu portfólio de investidas. A startup foi criada durante a primeira edição do Lemonade, iniciativa de pré-aceleração da Fundepar, e figurou entre as finalistas do programa. Segundo o analista de investimentos da Fundepar, Felipe Mariani, esse foi um ponto positivo no processo de avaliação: “O fato de conhecermos a equipe, a capacidade de entrega e de superar desafios, e também de termos acompanhado o desenvolvimento e avanços do produto desde o início foi fundamental para a entrada da Fundepar no negócio”. Além de participar do Lemonade, a startup já venceu o Desafio Pfizer, integrou o Startup Chile, foi convidada para apresentação na Conferência Aging 2.0 (EUA) e também foi selecionada pelo Edital Senai Sesi de Inovação.

De acordo com Felipe, o investimento na LinCare será aplicado, principalmente, para a finalização dos testes e lançamento da pulseira e, também, para estruturar os canais de distribuição e validar o produto junto a potenciais parceiros. Ana da Mata, da LinCare, está otimista com a parceria e as próximas etapas. “Acreditamos que, com a Fundepar, vamos ter uma abertura de mercado positiva e também acesso à rede de parceiros para pesquisas. Esse apoio nos traz a perspectiva de crescimento para elevarmos o patamar da startup também no âmbito da governança e gestão empresarial.”

Pré-venda

A LinCare está se preparando para o lançamento oficial da plataforma para os usuários. Para isso, a startup está realizando uma campanha de arrecadação de fundos com a venda antecipada do produto por um preço especial e outras ofertas e recompensas disponíveis para quem quer colaborar. Clique aqui e confira a campanha. A expectativa é que em fevereiro de 2017 saia do forno o primeiro lote da LinCare.

Além da LinCare, outras empresas integram o portfólio de investidas da Fundep Participações:

Myleus Biotecnologia: primeira empresa brasileira a atuar em análises genéticas para certificação de autenticidade de produtos de origem animal e vegetal.

Kunumi: especializada em ferramentas de segmentação, análise de comportamento e deep learning.

Detechta Biotecnologia: pesquisa e desenvolvimento para a indústria de vacina e de diagnóstico para o mercado veterinário e humano.

Logpyx: solução inteligente de otimização de fluxos internos para o segmento de logística e transporte de cargas.

Selo-ESTÁ-NO-DNA-certificação-de-produtos-1200x565

Myleus biotecnologia recebe investimento do Fundo Primatec



Primeira empresa investida da Fundepar rende ótimos frutos após 2 anos de parceria

A Myleus Biotecnologia (http://www.myleus.com) acaba de fechar negociação de investimento com o Fundo Primatec. A empresa de base tecnológica, que nasceu na Universidade Federal de Minas Gerais, oferece soluções baseadas em testes de DNA para empresas de alimentos e também para pesquisadores. Há dois anos, a Myleus recebeu seu primeiro investimento de capital semente da Fundepar, que atua tanto no aporte de recursos financeiros quanto no suporte à gestão. Ambas comemoram a evolução do negócio, que chamou a atenção de investidores e agora poderá continuar crescendo e expandindo suas ações comerciais. A celebração do contrato foi feita fechando um ciclo de negociações que durou aproximadamente 6 meses.

A tecnologia da Myleus nasceu em 2010, quando Rafael Palhares – Diretor Científico e Tecnológico, Marcela Drummond – Diretora Presidente e Mariana Bertelli – Diretora de Novos Negócios, começaram a desenvolver a solução na área de biotecnologia que auxilia os players da cadeia produtiva de alimentos em suas ações de autocontrole e análise de risco à fraude por troca de espécies.

Segundo Marcela Drummond, o desenvolvimento das soluções hoje oferecidas pela Myleus ocorreu em um prolongado período de imersão em laboratório. Entre 2010 e 2014 a empresa teve pouco contato com o mercado, cenário que mudou radicalmente após o início da parceria com a Fundepar. A partir dali, a Myleus se estabeleceu na incubadora Habitat/Biominas e passou a contar com sua própria estrutura laboratorial. Além disso, as ações comerciais levaram ao aumento da carteira de clientes. “Conseguimos grandes clientes, cases importantíssimos, realizamos muita interação com diversos parceiros estratégicos para alavancar o negócio”, conta.

Além de atuar no aporte financeiro, a Fundepar também oferece suporte na gestão. No caso da Myleus, esse apoio foi fundamental para a profissionalização da gestão. Segundo Marcela, a partir dessa parceria, a Myleus pôde instalar uma governança mais robusta, que contribuiu para o crescimento organizado e expansão do número de contratos fechados.
Para Ramon Azevedo, diretor executivo da Fundepar, a Myleus é um caso que valida a tese de investimento da Fundepar. “O objetivo da Fundepar é identificar empresas em estágio inicial que tenham como origem a universidade e centros de pesquisa e apoiar essas empresas na sua estruturação e crescimento. No caso da Myleus, esse trabalho foi realizado e demonstra o seu resultado na medida em que o Primatec se tornou interessado em investir um volume maior de recursos para continuar o crescimento da empresa em uma velocidade ainda maior”, diz.

Com mais um passo dado na história da empresa, as perspectivas são as melhores possíveis. A aplicação do investimento feito pelo Primatec será direcionada à expansão comercial e evolução da proposta de valor. Espera-se que a empresa organize sua oferta de produtos de forma a entregar o máximo de valor para seus clientes. O esforço comercial e de marketing da Myleus, deverá viabilizar a expansão da carteira de clientes tanto no Brasil quanto no exterior. Além disso, os três sócios pretendem abrir uma filial em São Paulo nos próximos meses.

Estiveram presentes na celebração desse importante passo os sócios-diretores da Myleus, representantes dos Fundos investidores da empresa, bem como representantes de instituições parceiras.

A Fundepar

A Fundepar (http://www.fundepar.ufmg.br) desenvolve negócios inovadores gerados a partir de projetos de alunos, professores e pesquisadores ligados à Universidades e Centros de Pesquisa, com investimento financeiro e apoio à estruturação empresarial. A Fundepar inaugura no Brasil um modelo de financiamento à inovação bem-sucedido em universidades públicas e privadas de países desenvolvidos.

O Primatec

O Primatec (http://www.fundoprimatec.com.br) é um fundo de investimento que conta com a Antera como Gestor e a Brain Ventures como Consultor Operacional. O Fundo foi criado visando o investimento em empresas de base tecnológica que possuam vínculo com incubadoras ou parques tecnológicos. A tese de investimento do Primatec envolve empresas de base tecnológica, com grande potencial de crescimento, prioritariamente nos setores de tecnologia da informação e comunicação, sustentabilidade, energia e economia criativa.

A Myleus chamou a atenção dos gestores do Primatec justamente por se enquadrar nas principais vertentes da tese de investimento. André Massa, diretor da Antera, aponta ainda dois fatores que contribuíram para o fechamento deste ciclo de negociações. “Entre os pontos fortes da empresa, vale ressaltar um time de empreendedores diferenciado – que demonstram ter grande capacidade de execução – e a tecnologia desenvolvida pela empresa. Além disso, a existência de um investidor anterior, como a Fundepar, contribuiu fortemente. A governança previamente instalada pela Fundepar ajudou bastante durante todo o período de análise e investimento”, conta. Marcelo Almeida, CEO da Brain Ventures, desatacou a importância da nova tecnologia que, aplicada na cadeia alimentar, pode garantir muito mais segurança para os consumidores na procedência e qualidade dos alimentos que ingerem diariamente.

A parceria com o Primatec vai além do aporte financeiro. Massa destaca alguns dos pontos trabalhados em conjunto entre fundo e empresa investida. “O Fundo traz ainda o apoio nos principais desafios que a empresa enfrentará em cada fase de desenvolvimento, como atração e retenção de ‘pessoas chave’, mentoring para montagem de equipe de vendas, expansão comercial, abertura de novos mercados, governança, networking, acompanhamento próximo, excelência operacional, excelência gerencial e eficiência financeira, entre outros”, explica.

Para as empresas que têm interesse em saber mais sobre o Fundo Primatec e desejam enviar a sua proposta, basta entrar no site fundoprimatec.com.br. Qualquer empresa do Brasil que se enquadre na tese do Fundo (exposta no site) pode se candidatar para receber investimento. Nesse caso, a empresa será rigorosamente analisada segundo os critérios de investimento do Primatec e será avisada caso seja selecionada para um aprofundamento da análise.

Mapa do site