Destaques

startups

bd8f26_14cb053aea98491b9fcd6d2d63bd7d27

Lemonade anuncia startups selecionadas para a turma 2



bd8f26_0a3bf358613f447b8edbd44373548bed

Mais de 300 pessoas estiveram presentes na cerimônia de abertura do Lemonade BH turma 2, nesta segunda-feira, 21 de dezembro, no Campus II da Milton Campos. Das 120 ideias inscritas, 27 foram selecionadas para participar do maior programa de pré-aceleração do Brasil. Além destas, mais quatro startups também entraram para a segunda turma do Lemonade.

Malala, Tá Pronto e Vaga Fácil foram as três finalistas do último startup weekend e ganharam passaporte direto para o Lemonade. A Miner, indicada pelo Microsoft Innovation Center – Puc Minas, também integra o segundo time.

O Lemonade é realizado pela Fundepar e co-realizado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais por meio do SIMI, pela Techmall – aceleradora de startups, pela Fapemig e pelo Sebrae Minas. Em parceria nesse projeto estão as principais instituições de ensino mineiras: UFMG, UEMG, CEFET, IBMEC, UNI BH, UNA, Faculdades Milton Campos, Puc Minas, Newton Paiva, Senai Minas, Escola de Formação Gerencial do Sebrae Minas.

Para o professor Pedro Vidigal, diretor de desenvolvimento institucional da Fundep, o primeiro programa foi um sucesso e muito importante para a definição de diretrizes para garantir a boa execução da segunda edição. “O programa se desenvolveu de uma forma muito mais rica e mais interessante do que o esperado. Para a segunda edição esperamos que esse aprendizado possibilite que o programa seja ainda melhor, com mais investimentos para as startups”, comenta.

Na primeira edição do Lemonade foram 27 negócios pré-acelerados, com quatro finalistas já investidas ao final do programa e em aceleração pela Techmall. Mais de 300 horas de conteúdo foram ministradas, além de 100 mentores colaborando diretamente com os empreendedores. Uma das finalistas do programa, a I-Care, foi selecionada para participar do startup Chile no primeiro semestre de 2016.

Para a turma 2 do Lemonade mais de 100 equipes se inscreveram, das quais 27 foram selecionadas para entrar na pré-aceleração, que começa no dia 4 de janeiro de 2016. O programa é dividido em duas fases. Durante as cinco primeiras semanas os empreendedores irão validar a dor de mercado e trabalhar no MVP – mínimo produto viável. Na segunda etapa do programa as equipes desenvolverão seus protótipos com o apoio do Laboratório Aberto do Senai Minas, além de desenvolver o business case e trabalhar na primeira venda.

Segundo o Subsecretário de Ciência, Tecnologia e Inovação de Minas Gerais, Leonardo Dias, o empreendedorismo é uma área de grande potencial e precisa ser explorado. “A economia mineira precisa se diversificar e o empreendedorismo é o melhor caminho para isso. O Governo de Minas apoia iniciativas voltadas à inovação e o Lemonade é um grande programa, que vai continuar tendo o apoio do Governo do Estado”, diz.

Equipes selecionadas:

Allugator
Allugator é um portal e aplicativo em formato marketplace que conecta as pessoas para alugarem diversos tipos de produtos entre si.

AXConn
Startup de IOT que desenvolve hardware, software e protocolos de comunicação RF que permitem conectar e controlar os dispositivos elétricos à internet.

Capta Money
O Portal irá unir e centralizar tudo que existe em termos de captação de recursos financeiros em um único lugar e ao mesmo tempo prestar diversos serviços ao sistema empreendedor brasileiro.

Chefex
Uma plataforma web que disponibiliza chefs/menus para que o cliente escolha e contrate o chef para uma ocasião especial.

Equipe A
Aplicativo que permite o pagamento da conta do cliente do estabelecimento pelo próprio celular, sem a necessidade de enfrentar filas para pagamento.

ET3M Materials Technology
Tecnologia para cooperativas que utiliza forno de fusão para fundir metais a partir de fontes alternativas de energia: óleos combustíveis reciclados, gases de aterros, GN e/ou GLP de Estações de Tratamento de Esgoto.

Feira de Arte
Plataforma que permite que os artistas e produtores culturais que trabalham com artes visuais vendam e gerenciem online seus produtos e serviços, culminando em encontros presenciais entre os consumidores e os agentes culturais.

Fresh To Go
A proposta é espalhar uma rede de produtos saudáveis e prontos para consumo em pontos estratégicos das cidades, como shoppings, academias, aeroportos, locais de grande circulação de pessoas e salões de beleza.

Gamelyst
Tenha acesso a todos os games dentro de nosso catálogo a partir de uma assinatura mensal.

HeyHoTravel
Estrutura onde o futuro viajante cadastra o destino do seu interesse, suas necessidades (apenas hospedagem, transporte, passeios, ou tudo!), a data prevista para a viagem e o valor que pretende gastar. A HeyHo Travel irá contatar as empresas dos diferentes segmentos demandados e negociará os valores dentro da proposta do consumidor, oferecendo a melhor opção de acordo com as informações cadastradas pelo usuário.

Hug Me
Nossa solução vem da oportunidade, pois 90% do desenvolvimento cerebral do ser humano acontece até os 5 anos de idade.A fantástica explosão no sistema neurológico e maleabilidade do sistema fonador nunca se repetirá ao longo de toda a vida do indivíduo. Os pilares da metodologia que propomos são: animações, músicas, clipes e missões via app, utilizando uma turma de personagens já desenvolvida para gerar envolvimento emocional através de conteúdo multidisciplinar.

Invent Marketing
A ideia é mostrar quantos “Likes”, em tempo real, um determinado produto possui através de um display situado junto ao produto. O sistema verifica continuamente a quantidade de likes que o produto possui em uma rede social. Possui também um QR Code que direciona o cliente para a página da rede social na qual se encontra o produto. Ao dar um “like” na foto do produto, o contador atualizará a nova quantidade. Um produto com muitos likes certamente chamará a atenção dos clientes.

i0t Soluções
Modernização no monitoramento do cultivo. O proprietário tem o controle do sistema todo pelo celular, utilizando comunicação por SMS e aplicativo. Com uma simples SMS ou acessando o servidor (pelo aplicativo) é possível ter um relatório completo. O controlador também colhe dados importantes para o cultivo e os disponibiliza de forma simples e descomplicada no celular, auxiliando nas decisões importantes e visando aumentar a produtividade.

Lenu
O Lenu é um aplicativo que reúne notícias, notificações e anúncios segmentados por áreas de interesse e ordenados de acordo com o seu perfil pessoal, seu contexto e sua localidade.

Mood food
Uma plataforma que sugere receitas para você de acordo com o seu perfil, ocasião e estado de humor e permite que você faça a compra online dos ingredientes nos supermercado, sem sair do aplicativo, e depois é só cozinhar seguindo o passo a passo didático e detalhado com vídeos e fotos disponíveis na própria plataforma.

NeuroApp
Plataforma ‘gameficada’ para o mapeamento de comportamentos alterados em crianças de 3 a 12 anos, para criação de diagnostico rápido e assertivo.

Oswald
Tecnologia para contagem automática dos ovos de mosquito depositados nas armadilhas georreferenciadas.

Pigeum
Pigeum é um dispositivo que, pareado com seu smartphone, lhe garante acesso a uma rede exclusiva de telefonia, onde você continua conectado com quem quiser, onde estiver, desfrutando de uma conexão de dados ilimitada, extremamente segura e descentralizada.

Playbor
Uma plataforma online que impulsiona a venda de produtos licenciados e de jogos digitais brasileiros de alto impacto.

Ryse Tech
A ideia chave é intermediar relações de prestação de serviços e favores entre vizinhos, através de um sistema multiplataforma denominado GiD! (sigla para Get it Done!).

SE
A SE é uma plataforma online de obtenção e gestão de informações para escolas, alunos e empresas.

Simplificasa
Criação de um site para intermediar contratações de profissionais da área de construção civil pelos seus contratantes, que são em sua maioria pessoas físicas que fazem obras esporadicamente.

The Best Coffee in Brazil
Plataforma que conecta produtores de café brasileiros com compradores de café internacionais, permitindo maior rentabilidade pela venda da saca ao produtor, menor custo logístico e menor valor pago pela saca ao comprador, devido ao contato direto (Direct Trade).

UAIVision
Utilização de drones para inspeção termográfica de torres, linhas de transmissão elétrica e gasodutos.

Viu? Espaço Colaborativo
O Viu? Espaço Colaborativo é o Waze do entretenimento e da cultura. Um mapa vivo parar mostrar de forma colaborativa o que está acontecendo em lugares da cidade.

Vórtex
Um aplicativo de acompanhamento de obra, com toda interface rodada via internet/browser e/ou dispositivos móveis, que permitirá análises do andamento da obra com um modelo tridimensional atrelado à um gráfico de Gantt e estudo das etapas de uma determinada obra.

Vytre
A partir da transição de consumo que ocorre hoje no mundo da moda, onde as tendências deixam de ser ditadas pelas grandes marcas e passam a ser ditadas por marcas em desenvolvimento, que por sua vez, criam focos diferenciados de hábitos de consumo, a Vytre busca adaptar o modelo de aceleração, muito popular no universo das startups, para o universo da moda.

Malala
Aplicativo que informa a rota mais segura para mulheres que se deslocam sozinhas, principalmente à noite.

Vaga Fácil
Aplicativo responsável pelo informativo de vagas em tempo real, tanto públicas quanto privadas.

Tá Pronto
Aplicativo para ligar produtores de comida caseira e consumidores.

Miner
Plataforma online para encontrar desenvolvedores de software.

Conheça mais sobre o Lemonade: http://www.lemonademg.com/

slider-fundepar-selecao

Conquistas de 2015 e expectativas para 2016



Instituída oficialmente em 2013, a Fundep Participações S.A. (Fundepar) é a primeira empresa de investimentos criada por uma fundação de apoio à pesquisa com a missão de desenvolver negócios emergentes de origem acadêmica, inovadores e com alto potencial de crescimento. Apresentamos um retrospecto deste ano e compartilhamos as expectativas para 2016.

A crise política e econômica vivenciada pelo Brasil produziu efeitos indesejáveis, em maior ou menor grau, em diversos setores da economia e da sociedade. Apesar do ano difícil e da falta de perspectiva de melhoria em curto prazo, acreditamos que o empreendedorismo de base tecnológica é, mais do que nunca, uma grande oportunidade para geração de renda, emprego e competitividade para a economia nacional. Dessa forma, temos trabalhado com afinco para criar, por meio do capital inteligente (smart money) e da articulação com os demais atores da cena de inovação nacional, um ambiente propício para o desenvolvimento de novos negócios de base tecnológica.

Para a Fundepar, 2015 começou com um objetivo claro: se consolidar no ecossistema de inovação mineiro como um mecanismo eficaz de apoio à transferência de tecnologia por meio do empreendedorismo. Consideramos que essa missão foi cumprida. Entre os principais fatos protagonizados pela Fundepar neste ano, tivemos, em julho, o investimento na Zunnit Technologies. A empresa fundada por Nívio Ziviani,  Professor Emérito do Departamento de Ciência da Computação da UFMG, reconhecido internacionalmente por suas pesquisas e pelo histórico de sucesso como empreendedor, desenvolve ferramentas de segmentação de perfil e análise preditiva para o mercado corporativo. Mais recentemente, no final de setembro, a Fundepar formalizou o investimento na Detechta Biotecnologia, empresa especializada no desenvolvimento de kits de diagnóstico e vacinas para humanos e animais, que surgiu como spin-off do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Vacinas (INCTV) e das pesquisas dos professores Ricardo Tostes Gazzinelli e Flávio da Fonseca, do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, e Ana Paula Fernandes, da Escola de Farmácia da UFMG.

Ainda antes de Zunnit e Detechta, a Fundepar incorporou ao seu portfólio a Techmall S.A. – maior aceleradora de startups de Minas Gerais e credenciada como uma das melhores do país pelo programa Startup Brasil, do Governo Federal. O investimento na Techmall foi a consolidação de uma parceria estratégica que viabilizou o desenvolvimento de mais de 15 novas empresas, somente neste ano. Assim, a Fundepar ampliou a atuação nos estágios iniciais de desenvolvimento das empresas de base tecnológica, além de fortalecer a estrutura de apoio às empresas investidas.

A união entre Fundepar e Techmall atraiu, também, outras instituições de peso do nosso ecossistema, como a Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/MG) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), para a criação do maior programa de pré-aceleração do Brasil, o Lemonade. Em sua primeira edição, realizada entre julho e setembro, foram pré-aceleradas 27 empresas, cujos participantes tiveram acesso a mais de 24 workshops e palestras e 300 horas de mentoria com uma rede de mais de 100 mentores. Seis empresas foram selecionadas para se apresentar na cerimônia de encerramento e todas receberam aporte de capital de investidores presentes no evento. Em conjunto, as empresas vencedoras da 1ª edição do Lemonade já negociaram mais de R$ 1 milhão em investimentos financeiros e econômicos.

Diante de todo o trabalho realizado ao longo de 2015, é com satisfação que encerramos o ano com 23 empresas em portfólio, investidas direta ou indiretamente, por meio do Programa Fundep de Investimento em Empresas Emergentes e Inovadoras, do Lemonade e da Techmall S.A. Temos certeza de que o apoio dos parceiros e da comunidade foi essencial para chegarmos até aqui. Por isso, registramos nossos agradecimentos à Fundep, ao Governo de Minas, à Fapemig, ao Sebrae/MG, à Techmall e a todos que confiaram no nosso trabalho, em especial aos empreendedores, protagonistas desse ecossistema.

Para 2016, esperamos obter os primeiros resultados dos investimentos realizados, bem como intensificar nossa atuação em Minas Gerais a partir da prospecção de oportunidades nos principais centros de pesquisa do Estado. Além disso, realizaremos mais seis edições do programa Lemonade – a primeira terá início em 4 de janeiro. No próximo ano, contamos novamente com o apoio da comunidade e de todos os parceiros, em um esforço conjunto para fazer da crise uma oportunidade e tornar o Estado de Minas Gerais uma referência em termos de empreendedorismo e inovação.

inscrição

Lemonade – Inscrições abertas



O Lemonade é o maior programa de de pré-aceleração de startups do Brasil e o primeiro idealizado e realizado por um fundo de investimento – Fundepar. O programa é co-realizado pelo Governo de Minas por meio do Simi, Sebrae MG e Techmall – aceleradora de startups. Em sua primeira edição, 27 empresas foram pré-aceleradas e, das oito finalistas, seis receberam investimentos e quatro estão em aceleração na Techmall. O sucesso e a evolução das equipes foram tamanhos que a segunda rodada do Lemonade já tem data para começar. As inscrições de ideias para o Lemonade 2016 poderão ser feitas entre os dias 24/11 e 13/12.

Informe-se sobre o regulamento disponível no site lemonademg.com. Articule sua ideia, forme uma equipe de peso e faça a sua inscrição. Venha você também escrever mais um capítulo da história do maior programa de pré-aceleração do Brasil!

http://www.lemonademg.com/

16-05-12-BHTec-640x403

CTIT e Fundepar realizam Workshop de fomento ao empreendedorismo para professores da UFMG



O BH-TEC sediou na terça e quarta-feira dessa semana, um Workshop realizado pela Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica (CTIT) em parceria com a Fundepar com o intuito de incentivar o empreendedorismo na UFMG.
De acordo com Leandro Pinheiro, Gerente de Aceleração da Fundepar, o Workshop contou com a participação de professores da universidade possuidores de patentes, com o intuito de apresentar as possibilidades de transferir essas tecnologias para o mercado. “Além do licenciamento que o CTIT realiza das tecnologias patenteadas para empresas interessadas em licenciar, estamos também mostrando para esses professores que eles também podem empreender e criar startups” afirma.

Para a coordenadora do CTIT, Juliana Crepaldi, incentivar o empreendedorismo dentro da universidade é um desafio, uma vez que essa cultura ainda é incipiente no Brasil. “É um desafio por ser uma atividade muito nova, porém, a UFMG tem como tradição incentivar e apoiar institucionalmente esse tipo de ação. A Universidade entende que desenvolver pesquisa e formar pessoas é importante, mas que também pode-se assumir um papel de contribuir para o desenvolvimento tecnológico e para geração de empregos” conclui.

Para essa primeira edição do Workshop foram convidados professores das áreas de exatas, software e engenharias. Durante a ocasião também foi divulgado o Lemonade, um programa de pré-aceleração que prevê o apoio a até 250 alunos, divididos em 50 projetos/ideias/tecnologias, sendo que cada projeto será conduzido por uma equipe de três a cinco pessoas. As inscrições para o Lemonade estão abertas e podem ser realizadas no site: (www.lemonademg.com).

Fonte: BHTec

skycatch-no-brasil-477x333

Evento de inovação dá oportunidade para empreendedores



Quer vivenciar um pouco da cultura de empreendedorismo do Vale do Silício? Será realizado em Belo Horizonte e em São Paulo, nos dias 23 e 24 de Abril respectivamente, o BRNewTech. O evento, que já teve 57 edições e mais de 7.500 participantes, tem como objetivo fomentar a cultura do empreendedorismo e da inovação com palestras de empreendedores de destaque, nacionais e internacionais, com oportunidades de startups apresentarem o seu pitch e momentos livres de networking.

Com o tema Mapeando o Mundo Através dos Drones: Inovação e Tecnologia, o evento terá como palestrante Christian Sanz, CEO da startup Skycatch. A Skycatch é uma das startups mais inovadoras citadas no meio da tecnologia, tendo como serviço levantamento de dados por mapeamento aéreo automatizado de alta resolução. Utilizando drones, a startup dispensa a necessidade de contratação de pilotos e agrega tecnologia à demanda dos clientes.

O CEO Christian Sanz participará de um painel no evento moderado por Bedy Yang, fundadora da +INNOVATORS e Managing Partner da 500 Startups. Mas este não é o único atrativo do evento. Para aqueles que querem aproveitar o público formado por outros empreendedores, investidores e potenciais clientes, será possível fazer o pitch da sua startup. Para se inscrever, basta enviar um vídeo de 1 minuto e apresentação da startup para o email pitch@brazilinnovators.com. O evento se encerra com atividades de networking entre todos os participantes.

Realizado pela +INNOVATORS em parceria com o SEBRAE e a FUNDEPAR, o evento agrega um conteúdo relevante em um ambiente estimulante que tem tudo para ser uma grande oportunidade para você experimentar o ambiente empreendedor do mundo das startups!

Para se inscrever no evento em BH: http://www.eventbrite.com/e/registo-brnewtech-inovacao-global-e-tecnologias-disruptivas-mapeando-o-mundo-atraves-dos-drones-belo-16439458864?aff=erellivorg

Para se inscrever no evento em SP: http://brazilinnovators.com/brnewtech-drones/

Fonte: Sebrae Minas

logo techmall

Fundepar investe no Techmall, aceleradora parte do Start-Up Brasil



O Techmall sediou, nesta terça-feira (31/3), cerimônia que formaliza a parceria com a Fundep Participações S.A. – Fundepar. O objetivo é ampliar a atuação do Techmall, cujo foco é promover a aceleração do desenvolvimento de startups de base tecnológica arrojada.

Com essa parceria, a Fundepar – programa de investimento para startups oriundas de iniciativas realizadas na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – proporcionará às tecnologias investidas o acesso aos serviços oferecidos pelo programa de aceleração de empresas.

A iniciativa se efetiva como uma oportunidade de expansão do escopo de trabalho da Fundepar, que, em sua essência, disponibiliza aporte financeiro em projetos de professores e pesquisadores da Universidade para a viabilidade e estruturação das empresas emergentes que visam à comercialização de inovações, colaborando para a transferência de conhecimento para a sociedade.

A expectativa da parceria entre a Fundepar e o Techmall é a obtenção de um braço de atuação que antecede a cadeia de investimentos, a fim de que as empresas se estruturem, preparando-se para um grau de maturidade que possibilite o aporte de novos recursos.

Além disso, a Fundepar terá o potencial de prospecção ampliado pelo Techmall que, atualmente, integra o programa Startup Brasil, do governo federal.

O evento desta terça-feira contou com a participação do presidente da Fundep, professor Alfredo Gontijo de Oliveira; do diretor de desenvolvimento institucional da Fundep, professor Pedro Vidigal; Ramon Azevedo, diretor da Fundepar; equipe Fundepar, de sócios do Techmall e de empresas startups aceleradas.

Mais informações

O Techmall

O Techmall origina-se de um projeto da UFMG. Com pouco mais de um ano de atividades, é reconhecida como uma das 10 melhores aceleradoras do país, segundo o Startup Brasil. Atualmente, a empresa possui 13 startups em seu portfólio.

A Fundepar

Corroborando sua essência arrojada, a Fundepar prepara novas formas de interlocução com os atores do ecossistema da inovação e, nesse sentido, lançará diferentes serviços e oportunidades para a comunidade da UFMG. A iniciativa visa contribuir para a evolução das empresas investidas fornecendo capital e know-how para que o empreendimento possa seguir seu caminho de maneira independente. Para isso, a modalidade de investimento praticada é o seed money (capital semente). Com o Programa, a Fundep é a primeira fundação de apoio do Brasil a investir capital próprio em empreendimentos dessa natureza. Também inédito no país, o modelo de financiamento segue a tendência de experiências bem-sucedidas de universidades estrangeiras.

Conheça o Techmall: http://www.techmallsa.com.br/

Data: 01/04/2015
Fonte: Startup Brasil

Inovativa brasil

Startups finalistas do InovAtiva Brasil se apresentam a investidores na segunda-feira (24)



A edição deste ano do programa InovAtiva Brasil se encerra com a oportunidade para que empreendedores mostrem o potencial de seus negócios. Na segunda-feira (24), em São Paulo, dentro da programação da Conferência Nacional da Anjos do Brasil, 74 empreendedores apresentarão seus projetos a uma banca formada por investidores e executivos de grandes empresas. A partir das apresentações, serão destacadas possibilidades de aportes financeiros ou parcerias com as startups.

“O InovAtiva Brasil 2014 possibilitou o acesso ao mundo dos negócios a todos os que têm um bom projeto ou tecnologia. Foram oferecidas as melhores técnicas e ferramentas práticas de gestão”, destaca Nelson Fujimoto, secretário de Inovação do MDIC. Este ano o programa foi operado pelo Wenovate – Open Innovation Center em parceira com a Endeavor e o Senai Nacional e apoio da consultoria McKinsey & Company.

Marcela Drummond, da empresa mineira Myleus Análises Genéticas, uma das finalistas desta edição, aponta que a capacitação e, principalmente, as mentorias individuais foram muito úteis para melhorar o modelo de negócio e posicionar melhor a empresa no mercado. “O formato de um único mentor por um período maior de tempo é muito bom, pois assim é possível acompanhar a evolução da empresa. Nosso mentor foi excepcional, e chamou nossa atenção para pontos-chave”, destaca a empreendedora.

Sobre o InovAtiva

A segunda edição do Programa InovAtiva Brasil, lançada em maio deste ano, foi composta por três fases em que quase sete mil empreendedores de todo o Brasil tiveram acesso gratuito à capacitação baseada em vídeos e textos de empresários, consultores e especialistas.

Foram 703 os selecionados na primeira fase, e 128 para a segunda. Todos os 128 receberam mentorias individuais com empresários e executivos e também participaram de eventos presenciais de treinamento em cinco capitais brasileiras.

Nesta terceira fase, além da apresentação no dia 24, os 74 selecionados terão um treinamento intensivo nos dias 22 e 23 de novembro e continuarão com a mentoria individual por mais quatro meses após o evento.

Os empreendedores selecionados para a segunda e terceira fases vieram de 17 estados, sendo que São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina tiveram o maior número de inscritos.

O setor com maior representatividade foi o de Tecnologia da Informação, com quase metade dos selecionados, com destaque também para empresas de Saúde (biotecnologia, fármacos e equipamentos médicos), Agronegócio, Ambiental (gestão de resíduos) e algumas empresas de nichos específicos, como de nanotecnologia e veículos aéreos não tripulados (drones).

Fonte: Site do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior
21/11/2014
Fundepar na Mídia

Fundepar na TV UFMG



Iniciativas empreendedoras da UFMG ganham apoio da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep)

Programa investirá em empreendimentos inovadores da Universidade.

Acompanhe a entrevista do presidente da Fundepar, que apresenta detalhes do projeto, e saiba como participar.

Fundepar na Mídia

Startup na academia



Empresa criada pela UFMG incentiva a transformação de pesquisas em negócios

A Universidade Federal de Minas Gerais começou a testar um novo modelo de financiamento de startups a serem formadas a partir dos trabalhos do meio acadêmico. A instituição selecionou dois empreendimentos que receberão cada um até 500 mil reais, por meio da participação acionária de uma companhia criada pela universidade, a Fundep Participações S.A. (Fundepar). Um acordo deve sair nos próximos dias. Uma delas é a Labfar, que desenvolve soluções farmacêuticas na área cardiovascular, e que surgiu sob a coordenação da UFMG. A outra é Myleus Biotecnologia, prestadora de serviços de análise de DNA, nascida em uma incubadora da federal mineira. Outras 33 propostas foram recebidas e estão em análise. “São todas as iniciativas que temos acompanhado há tempo”, diz Marco Crocco, presidente da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa da UFMG (Fundep).

Depois de participar de um evento no Reino Unido em 2010, Crocco voltou ao Brasil com a ideia: abrir uma empresa subordinada à universidade para participação minoritária no capital de companhias inovadoras. Foi o modelo que ele conheceu na viagem, ao ter contato com a Cambridge Enterprise, da Universidade de Cambridge, a Oxford Management, da Universidade de Oxford, e o Imperial College Business, ligado á Universidade de Londres. “O princípio é ter uma entidade privada para cuidar da relação entre a comunidade acadêmica e o mercado, algo muito problemático no Brasil”, diz Crocco, que atenta para o baixo número de patentes registradas no país como um reflexo dessa deficiência.

O retrato da inovação no Brasil é desalentador. Apesar de o País aparecer em 13º lugar no ranking mundial de artigos acadêmicos, ele é o último colocado entre os BRIC (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia e China) em número de pedidos de patentes internacionais. Os investimentos privados em inovação representam apenas 0,55% do PIB nacional, atrás do volume aplicado pela esfera pública, de 0,61%.

A Fundepar foi lançada com um capital de 5 milhões constituído por meio de aporte da Fundep, e obteve recentemente contribuição de outros 6 milhões da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Está em curso ainda uma negociação para entrada de recursos do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). O objetivo é levantar 50 milhões de reais em três anos.

A criação da empresa permitiu um passo além da atividade da Fundep, que é dar suporte ao pesquisador na busca de recursos com entidades fomentadoras, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). “A Fundep faz toda a gestão financeira dos recursos captados para a pesquisa. Mas para criar uma startup era preciso mais, e esse será o papel da Fundepar”, diz o professor.

Segundo ele, o trabalho da Fundepar como sócia de empresas novatas será facilitado pela relação já estabelecida entre a universidade e os seus pesquisadores. “Essa é a diferença entre o nosso trabalho e os modelos tradicionais de financiamento no Brasil.” Para Crocco, um dos ruídos existentes no relacionamento entre academia e mercado é a diferença de ritmo. “Podemos ser mais pacientes no retorno do investimento, pois nossa ideia não é ter rentabilidade para aplicar em outra empresa logo. O nosso superávit será para a universidade.”

A distância entre os trabalhos desenvolvidos na academia e no setor privado é apontada com uma das principais dificuldades para aumentar os investimentos em inovação no Brasil. Devido ao tamanho do nó, em 2013 o governo federal criou a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), para estreitar o relacionamento. O primeiro edital para atrair instituições de pesquisa interessadas em trabalhar com a iniciativa privada tem previsão de ser lançado no primeiro semestre de 2014. Ele é parte do Inova Empresa, programa federal de incentivo aos investimentos em tecnologia que promete injetar 32 bilhões de reais no biênio 2013/2014, dos quais 22,7 bilhões representam dinheiro novo. Como resultado, espera-se aumentar o quadro de empresas inovadoras no país das 39,3 mil existentes em 2008 para 60 mil em 2014.

“Os esforços do governo têm sido importantes, mas temos uma carência de instrumentos para apoiar as empresas no momento do seu nascimento, como é o caso da Fundepar”, diz Crocco, que acredita que o modelo lançado pela UFMG deve ser multiplicado. Segundo o professor, outras instituições já o procuraram para conhecer a operação da empresa. “A própria iniciativa de colocar a universidade para ajudar a criação de startups já é inovadora”, diz o professor.

Por Samantha Maia
Fonte: Revista Carta Capital
22/01/2014

Fundepar na Mídia

Fomento econômico na UFMG



Criada no início de 2013 pela Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) para fomentar startups, a Fundepar S.A. vai injetar a primeira leva de recursos em empreendimentos emergentes até o fim de Fevereiro. A companhia vai aplicar até R$ 500 mil em cada um e terá como contrapartida o direito a participações societárias ou em debêntures. A Fundepar, portanto, está prestes a se consolidar como o braço econômico da instituição de ensino mais importante no estado. A expectativa é que, até o fim do ano, de oito a 10 empresas recebam o aporte.

“A Fundepar terá participação ativa na gestão (das embrionárias), podendo contribuir com sua expertise em gerir programas de pesquisa e desenvolvimento”, explica o presidente da Fundep, professor Marco Crocco, acrescentando que as startups a serem beneficiadas precisam ser nascidas na própria instituição de ensino. Na prática, são empresas conduzidas por professores e alunos que pertencem ou pertenceram aos quadros da UFMG. Dessa forma, as emergentes a serem contempladas vão levar para fora do campus os conhecimentos adquiridos por seus empreendedores.

Duas startups receberão a injeção de recursos no próximo mês. Uma delas será a Myleus Biotechnology, que atua na área de análises genéticas aplicadas à indústria, ao meio ambiente e ao meio acadêmico. “Nosso forte é a análise genética para identificação de espécies. Por exemplo: analisamos se o queijo de búfalo não leva leite de vaca ou um pescado para saber se é surubim ou outra espécie”, esclarece Marcela Gonçalves Drummond, presidente da Myleus.

A outra startup a receber o recurso em fevereiro será o Labfar Inovação, especializado em desenvolvimento de medicamentos, sobretudo, para o segmento cardiovascular. Membro do conselho científico da empresa, o professor Robson Santos informa que parte do recurso será destinado ao desenvolvimento de um cosmético voltado ao combate da calvície.

Capital Semente

A Fundepar vai aplicar o recurso nas embrionárias por meio de uma modalidade de investimento conhecida por seed money (capital semente). Esse tipo de aporte serve para financiar projetos mas não trata da principal fonte de recurso. No caso das startups nascidas na UFMG, o seed money é parte da solução para viabilidade empresarial de pesquisas desenvolvidas no âmbito da própria instituição de ensino. De acordo com o presidente da Fundep, o resultado financeiro a ser alcançado é 5% além do índice de inflação do período de operações.

“É um investimento de risco, mas acreditamos que alguns dos nossos empreendimentos têm enorme potencial, o que nos deixa otimistas quanto aos resultados. A Fundep entende a particularidade da maturação do projeto científico-tecnológico e sabe como lidar com as etapas do processo de transformação do conhecimento em desenvolvimento”, completa Crocco.

A Fundepar tem capital inicial de R$ 11 milhões, sendo R$ 5 milhões repassados pela Fundep e R$ 6 milhões pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig).

Por Paulo Henrique Lobato
Fonte: Jornal Estado de Minas
18/01/2014

 

 

1 2

Mapa do site